Rota do Douro e do Vinho do Porto

Rota do Douro e do Vinho do Porto

A região do Douro produz vinho há mais de 2000 anos, entre os quais podemos destacar o, mundialmente célebre, vinho do Porto.

As suas origens remontam à segunda metade do século XVII, altura em que o Vinho do Porto começa a ser produzido e exportado em quantidade, especialmente para a Inglaterra.

Contudo, os elevados lucros obtidos com as exportações para a Inglaterra viriam a gerar situações de fraude, de abuso e de adulteração da qualidade do vinho generoso. Os principais produtores de vinho durienses exigem, então, a intervenção do governo e, a 10 de Setembro de 1756, é finalmente criada a “Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro“.

Para demarcar o espaço físico da região foram mandados implantar 201 marcos de granito. No ano de 1761 são colocados mais 134 marcos pombalinos, perfazendo um total de 335.

Já a 10 de Maio de 1907, ao abrigo do decreto assinado por João Franco, a região demarcada é novamente delimitada, estendendo-se para o Douro Superior.

A longa tradição de viticultura produziu uma paisagem cultural de beleza excepcional, que reflecte a sua evolução tecnológica, social e económica.

A Região Demarcada do Douro divide-se em 3 “zonas”:

Baixo-Corgo

Representa mais de metade da região demarcada e, nesta, a vinha abrange 51% da área. Compreende toda a margem direita do Rio Douro, desde Barqueiros ao Rio Corgo (Régua). Na margem esquerda, vai desde a freguesia de Barrô até ao Rio Temi-Lobos, nas proximidades da Vila de Armamar.

Alto-Corgo

Representa 36% da região demarcada, estendendo-se desde as fronteiras da anterior e seguindo até ao meridiano, que passa no Cachão da Valeira.

Douro superior

A área mais pequena, com aproximadamente 13%, que tem início nas fronteiras da “Cima-Corgo” prolongando-se até à fronteira espanhola.

Nesta região são produzidos vinhos brancos, tintos e Rosé, DOC (Denominação de Origem Controlada), DOP (Denominação de Origem Protegida) e o vinho fortificado mais célebre do mundo, o vinho do Porto.

Os vinhos do Porto dividem-se em 3 categorias: Branco, Ruby e Tawny.

Vinho do Porto é um vinho natural e fortificado, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da Região Demarcada do Douro, sendo Peso da Régua e Pinhão os principais centros de produção.

Apesar de produzida com uvas do Douro e armazenada nas caves de Vila Nova de Gaia (sendo atualmente o local com maior concentração de álcool por metro quadrado do mundo), esta bebida alcoólica ficou conhecida como “vinho do Porto”, a partir da segunda metade do século XVII, por ser exportada para todo o mundo a partir desta cidade.

A “descoberta” do vinho do Porto é polémica. Uma das versões, defendida pelos produtores em Inglaterra, refere que a origem data do século XVII, quando os mercadores britânicos adicionaram brandy ao vinho da região do Douro para evitar que ele azedasse. No entanto, o processo que caracteriza a obtenção do precioso néctar era já conhecido, bem antes do início do comércio com os ingleses. Já na época dos Descobrimentos, o vinho era armazenado desta forma para se conservar o máximo de tempo possível durante as viagens. A diferença fundamental reside na zona de produção e nas castas utilizadas, hoje protegidas.

O que torna o vinho do Porto diferente dos restantes vinhos, além do clima único, é o facto de a fermentação do vinho não ser completa, sendo parada numa fase inicial (dois ou três dias depois do início), através da adição de uma aguardente vínica neutra (com cerca de 77º de álcool). Assim, o vinho do Porto é um vinho naturalmente doce, uma vez que o açúcar natural das uvas não se transforma completamente em álcool, e mais forte do que os restantes vinhos (entre 19 e 22º de álcool).

GASTRONOMIA

Muitos são os pratos típicos desta região, mas os mais célebres e comuns em várias zonas da região do Douro são: o cabrito assado, o Bacalhau assado, o arroz malandrinho de feijão com pataniscas de bacalhau e a sopa de troncha com feijão vermelho.

Se degustar um cabrito assado com arroz de forno (preparado em forno tradicional a lenha), vai querer repetir, repetir, … é sublime.

Como sobremesa, o eleito será o leite creme, queimado com o açúcar e acompanhado com um bom vinho do Porto… é soberbo.

 

Após esta introdução, é muito difícil selecionarmos a melhor rota para os Vinhos do Douro e os Vinho do Porto, pois iriamos precisar, não de um dia, mas sim de um mês, para apreciar, descobrir e saborear tudo quanto esta região nos poderá oferecer.

Desde os vinhos de mesa, os vinhos do Porto, à gastronomia, às gentes, às tradições, às paisagens

“O Doiro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos comtemplam: é um excesso da natureza” – Miguel Torga

… tudo isto nos enche a alma.

 

Lugares a visitar

Miradouro S. Leonardo da Galafura

São Leonardo de Galafura é um dos mais enigmáticos miradouros da região duriense, encontrando-se a 620 mts de altitude. Daqui podemos admirar o vale do Douro em todo o seu esplendor. A beleza do local tem encantado as pessoas e serviu de inspiração ao escritor e poeta Miguel Torga (Nasceu a poucos kms da Galafura, na aldeia de São Martinho de Anta, e era contemplador assíduo das água do Douro que correm lentamente lá no fundo. A 8 de Abril de 1977, Torga, inspirado pelo Douro, faz-lhe uma das mais belas homenagens… um poema, que hoje se encontra eternizado na fachada da capela erigida lá no topo.)

Neste espaço, encontramos um parque de lazer, onde poderá desfrutar de sossego e tranquilidade, uma capela e um  marco geodésico.

Produtor de Vinhos (Bulas Wine)

Na Quinta da Encosta de Baixo está situado um dos produtores do vinho do Douro e vinhos do Porto que, para nós, supera todas as expectativas da nossa viagem.

Depois de descidas, de curvas, contra curvas, junto ao rio Douro e ao rio Ceira, podemos inebriar-nos com a paisagem com que nos deparamos, a partir desta quinta.

Desde os vinhos tranquilos (DOC) – brancos, tintos e rosé, tintos reserva – aos vinhos do Porto (Fine White, Ruby, LVB, Vintage), Tawny (reserva, 10 anos, 20 anos, 30 anos, 40 anos e Old Years Tawny)… todos eles nos enchem a alma, pois são distintos.

 

Peso da Régua

A origem da fundação da Régua remonta à época romana. Aqui, os romanos terão instalado um presidium, tornando, em virtude disso, o território comunicável com outras terras.

Peso da Régua  é uma cidade que pertence ao Distrito de Vila RealRegião Norte da sub-região do Douro e da antiga província de Trás-os-Montes e Alto Douro.

A história do território e das suas gentes fica marcada pela criação da Companhia Geral das Vinhas do Alto Douro, instituída pelo Marquês de Pombal, em 1756, juntamente com outras personalidades influentes.

A região do Peso da Régua foi elevada a concelho, em 1836, e elevada ao estatuto de cidade a 14 de Agosto de 1985.  Em 1988 foi reconhecida pelo Office Internacional de la Vigne et du Vin como Cidade Internacional da Vinha e do Vinho.

www.cm-pesoregua.pt/

 

Pinhão

Pinhão é uma freguesia portuguesa do concelho de Alijó. Esta vila goza de uma localização privilegiada na margem direita do Rio Douro. O Pinhão é o centro da região demarcada do Vinho do Porto e o local onde estão localizadas as mais famosas “Quintas” produtoras de vinho generoso.

A paisagem do Pinhão está classificada pela UNESCO como património cultural da humanidade.

estação dos caminhos de ferro do Pinhão é conhecida pelos seus 24 painéis de azulejos, que retratam paisagens do Douro e aspetos das vindimas. Em tons de azul, os azulejos são da autoria de J. Oliveira e foram encomendados à fábrica Aleluia, de Aveiro, em 1937.

Foi a primeira freguesia do distrito de Vila Real a ter telefone, correio permanente, água canalizada e Casa do Povo.

Provesende

Situada em pleno Alto Douro Vinhateiro, a aldeia de Provesende, em Sabrosa, é um recanto a não perder. A sua localização no alto de um planalto, na margem norte do rio Douro, oferece uma vista singular sobre a região vinhateira mais antiga do mundo, Património Mundial da Unesco. As muitas vinhas que a rodeiam, a praça principal da aldeia e os seus magníficos edifícios proporcionam uma viagem no tempo, com muito para descobrir. Venha conhecer esta pérola do Douro!

Provesende é uma aldeia bem preservada que promete encantar com seu património único e singular. Num passeio prolongado pelas ruas da aldeia, observe os solares em granito e as várias casas nobres que atestam o poder e a riqueza da região. O local preserva um belo Pelourinho e no centro da aldeia, junto à Igreja Matriz, de traça setecentista, está o Fontanário em granito, datado de 1755. Junto a esta fonte, não deixe de visitar uma padaria típica, cuja configuração se mantém idêntica à data em que abriu portas: 1940. Classificada como “Aldeia Vinhateira do Douro”, em Provesende terá lugar, futuramente, o Museu da Filoxera, já que foi nesta aldeia que se começou a combater esta praga no século XIX. A doença das vinhas destruiu, nessa altura, a produção de vinho do Porto no Douro. Vale a pena conhecer este espaço, que conta uma parte da história do território.

PREÇÁRIO
Preço 1 px – 190, 00 euros
Preço 2 px – 340,00 euros
Preço 3 px – 465,00 euros
Preço 4 px – 580,00 euros
Preço para Grupos – sob consulta

Horários
07:30 – Saída do Porto
09:30 – Chegada Provesende

11:00 – Chegada Pinhão

13:30 – Almoço

15:00 – Visita à Quinta de Produção de Vinhos
17:30 – Visita a cidade da Régua

(passeio de barco 50m – sempre que possível)
19:30 – Lanche

22:00 – Chegada ao Porto

  • Reviews 0 Reviews
    0/5
  • Vacation Style
    Camping Trek
  • Activity Level
O que as pessoas acham deste programa
0/5

Deixe o seu comentário